A dieta da Auto-aceitação

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A dieta da Auto-aceitação

Mensagem por Palavra de Condão em Qui Jun 26, 2008 4:33 am

por Andrea Pavlovitsch - andreapavlovitsch@uol.com.br

“Você não pode melhorar a si mesmo. Não estou dizendo que não é possível melhorar, apenas que você não pode melhorar a si mesmo. Quando você pára de se melhorar, a vida melhora você. Nesse relaxamento, nessa aceitação, a vida começa a fluir por você.”
Osho

A conversa no café que fica embaixo do meu consultório, hoje, foi bem interessante. Cheguei trêmula, com mais uma de minhas crises de hipoglicemia, causadas por horas sem comer (só trabalhando), e encontrei a atendente do café e dona do negócio no mesmo estado. “Menina, eu não como um carboidrato há dois meses”. A moça tremia mais do que vara verde e, naquele dia, tinha consumido um iogurte, meio mamão papaia e uma barra de cereais. Sem entrar no mérito de se barras de cereais são carboidratos ou não, ela completou dizendo “E não emagreci nenhum grama”.

Fiquei assustada com a afirmação. Eu, do alto das minhas 12 mil tentativas de dieta para emagrecer, mais uma vez estava tentando começar uma. Justamente uma que priva os carboidratos (no meu caso, consumindo somente carboidratos como frutas e cereais integrais) e ela me diz que não emagreceu nada? Que diabos!

Olhei mais atentamente para ela. Uma moça bonita, de uns 30 e muitos anos, loira, alta e com lindíssimos olhos verdes. Não vi aquela quantidade enorme de gordura que ela estava vislumbrando. Digamos que ela é gostosa, como diriam alguns dos peões abençoados que trabalham na reforma do prédio ao lado. Perguntei a ela o que realmente ela queria emagrecer.

Ela começou a me mostrar todas - eu disse todas! - as partes “gordas” do seu corpo. A bunda rechonchuda, as coxas salientes e aquela barriga “enorme que teima em pular para fora do jeans”. Tudo isso, claro, na cabeça dela. Sinceramente nem entrei no mérito da questão, já que sou uma gordinha mesmo, de carteirinha, e nem poderia chegar perto da calça jeans que ela vestia. Mas, claro, isso me fez pensar.

Quantas e quantas vezes você já viu, ouviu ou mesmo participou de uma história como essas? Quantas vezes você viu mulheres realmente bonitas, acabarem consigo mesmas na frente de espelhos de corpo inteiro de provadores de roupas de lojas femininas? E quando são aqueles provadores coletivos, então? Que tortura! É um tal de dar aquela disfarçada, fazer de conta que vai olhar mais perto no espelho, só pra saber se suas companheiras de compras tem centímetros a mais ou a menos. E ainda fica passando aquela história pela cabeça “Ah, aquela mulher eu nem me comparo, tem um corpo perfeito e sarado!”. “Ah, mas daquela ali, eu sou bem mais magra...” proferindo a frase com uma bela respiração aliviada. As mulheres comparam seus corpos assim como os homens comparam seus “equipamentos” na oitava série. Só que a nossa comparação dura pela vida toda e, o que é pior, muda com a nossa idade e quantidade de filhos que temos. “Nossa, ela tem um corpão e tem dois filhos!”.

Se formos pensar sério, bem sério, isso é uma coisa completamente absurda. E não tem a ver somente com esses clichês de que a mídia faz isso ou aquilo, não. Será? Será que não são exatamente mulheres que colocam essas ditas beldades nas frentes das câmeras? Será que são essas mesmas mulheres, até mesmo insatisfeitas com seus corpos, que colocam essas mulheres nas capas das revistas? E não somos nós, eu, você e a sua vizinha, que compramos essas revistas e essas idéias? Então, peraí! Será que se virar moda se jogar de prédios vamos todas pular de um? Será que essa busca desenfreada por corpos perfeitos e praticamente inatingíveis não tem nada mesmo a ver com a gente?

Bom, pensando bem, eu percebi que o meu caso é um só. Aceitação. E percebi isso depois que um ex-obeso, que estava sentado ao nosso lado no café e ouviu a nossa conversa, falou que emagreceu naturalmente, sem nenhuma dieta mais restritiva, depois que decidiu aceitar-se como era. “Tudo passa pela cabeça”, disse ele do alto de sua cabeça grisalha, aparentando uns cinqüenta e poucos anos. “Eu tentei emagrecer a vida toda e só quando me aceitei como gordo é que emagreci naturalmente”, completou.

Achei aquela história interessante e me lembrei das toneladas de culpa que eu carrego todos os dias, para cima e para baixo. “Meu Deus, não fui para a academia. Meu Deus, comi meio biscoito a mais. Meu Deus, Meu Deus, Meu Deus...”. Não é possível que toda essa culpa e toda essa cobrança não pese nada na nossa balança! Não é possível que essa não aceitação daquilo que somos simplesmente não represente nada nas nossas vidas. Pareceu tão óbvio depois que ele disse aquela frase que fiquei até com vergonha da minha culpa e da minha cobrança por uma barriga tanquinho que, possivelmente, eu nunca vou ter. Não porque acho que é impossível, mas porque não me interessa. Nunca me interessou, em 32 anos, porque me interessaria agora? Para algumas pessoas, sim, interessa e elas fazem de tudo (até almoçar macarrão integral sem molho com ovo cozido todos os dias, eu já vi!) para ficarem assim. E estão de parabéns porque estão alcançando os seus objetivos, aquilo que elas colocaram como uma meta.

Mas, eu? A minha meta sempre foi mergulhar a cabeça nos livros e aprender o máximo de coisas que eu possa. Sempre amei passar horas na frente do computador, pesquisando. Sempre adorei ler milhares de coisas, de assuntos diferentes. Até para fazer dieta eu compro um livro! Não é a minha prioridade. Nunca foi. Então, como eu posso simplesmente querer ser dessa maneira e morrer de culpa porque não como ovo cozido com macarrão? Como?
Claro que vamos aqui fazer o outro lado da questão. Não dá também para fingir que você não tem um corpo e começar a prejudicá-lo por isso. Bons e saudáveis exercícios, uma alimentação rica e saudável (mesmo que você não devore mais vegetais do que as girafas do zoológico), com tudo o que a gente gosta e precisa em intervalos regulares, e todas aquelas coisas que nós lemos o tempo todo sobre exercícios e dietas. Legal! Saudável! Bacana! Mas, barriga tanquinho é, literalmente, para quem pode e acho que é hora de simplesmente aceitarmos quem nós somos.

Se você é uma atleta em potencial que não está fazendo nada e se lamenta por isso, é errado. Se você é uma candidata a beldade que foi abençoada pela genética e tem uma alimentação horrorosa e não levanta nem para pegar um copo d´água, também é errado. Mas que tal cada um parar, fazer uma auto-análise, descobrir de verdade quem é e o que quer da vida e lutar por isso? Mesmo que signifique um pouco de estrias ou celulites, afinal de contas, pagamos um preço por tudo nessa vida.

E você: que preço está disposta a pagar? Talvez não consiga conviver com os quilos a mais e isso a faça sofrer e, então, está na hora de encarar uma dieta daquelas e exercícios para chegar a esse ponto. Talvez possa conviver bem com uns poucos quilos a menos e talvez se goste assim, fofa e gostosa. Neste caso a única coisa errada é aquilo que nos prejudica e o que nos prejudica, de verdade, é não gostarmos de nós mesmos. É não nos aceitarmos como somos e corrermos atrás de uma coisa que não é para nós. O que é da nossa alma entendemos na hora em que batemos o olho. O que não é, sentimos que não é, e pronto.

Acho que ainda peco muito no quesito “ser saudável” e ainda preciso eliminar uns maus-hábitos da minha vida e quilos que, sim, estão me fazendo mal. Mas não vou mais me culpar porque eu não sou o que eu achei um dia que deveria ser. Serei eu mesma, com meus quilinhos a mais, sim, mas sem neuroses. Acredito até que irei emagrecer mais fazendo isso do que restringindo os carboidratos de maneira proibitiva. Mas, na hora de escolher a bebida vou escolher o suco, por quero ser saudável e feliz.

Que tal começar essa dieta da auto-aceitação, hein? Depois, me conte os seus resultados, ok? Saudável e feliz. Já!

Andrea Pavlovitsch Psicoterapeuta (adulto e infantil)

Palavra de Condão
Admin

Feminino
Número de Mensagens : 652
Idade : 36
Data de inscrição : 19/02/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum