Quem é solidário jamais será solitário!

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Quem é solidário jamais será solitário!

Mensagem por Palavra de Condão em Seg Mar 17, 2008 10:00 am

Uma Pequena História

por Thais S Francisco

Vou contar quando, e, como me tornei voluntária, em auxílio ao próximo:

- Já faz algum tempo, mas de nada adiantaria falar sobre voluntariado,
se não contasse como e quando dei meu primeiro passo para tal...
Eu estava com 9 anos de idade,(hoje 56) e, em certo dia,
na escola onde eu estudava,
"Grupo Escolar "Orestes Guimarães," em São Paulo, Capital,
mais precisamente no bairro do Pari,
estávamos todos em fila,
aguardando o sinal para entrarmos em sala de aula,
quando o nosso Diretor, Sr. Olavo,
aproveitando que estávamos todos em formação e quietos,
quer dizer, mais ou menos quietos....
pediu para conversar conosco.
Disse que precisaria muito de nossa ajuda,
pois queria implantar, em nossa escola,
uma sala especial.
Especial??
O que seria isso, pensei eu, e ,acredito pensaram todos,
pois foi um ohhhhhh geral,
e claro um zum zum zum danado,
pois um olhava para o outro e se perguntava:
Sala Especial??
O que terá ela para nós??
Sr. Olavo nos pediu silêncio e explicou o que seria essa tal sala Especial.

Nesta Sala, teríamos coleguinhas excepcionais
(hoje já se diz com Síndrome de Down)
Silêncio Total !!
Espanto também!!!
Sr. Olavo aproveitou o silêncio e continuou,
dizendo que precisaria muito de nossa ajuda e compreensão,
para com nossos novos coleguinhas, e,
queria voluntários,
para integrarmos nossos amiguinhos à escola,
mostrando onde ficava o refeitório,
os banheiros,os bebedouros,
enfim, todas as dependências da escola..
Como o silêncio ainda predominava,
a secretária da escola trouxe para o pátio
os integrantes desta Sala Especial....
cerca de uns 10 alunos.
Olhinhos assustados versus Olhinhos espantados...
Foi aí que o diretor
convidou a quem tivesse vontade,
que se apresentasse para acompanhar
nossos coleguinhas para um "tour" de reconhecimento pela escola...
Ficamos todos congelados, sem saber o que fazer ou dizer....
Seria medo?
Preconceito?
Vergonha?
O que falariam de nós, andando, com excepcionais?
Eles tinham o rostinho diferente, será que sabiam falar?
O silêncio ainda continuava.
Você consegue imaginar, 250 crianças caladas?
Naquele tempo, havia um preconceito ainda grande,
talvez falta de conhecimento.
Foi nesse momento que me coloquei no lugar deles.
E se fosse eu, do lado de lá?
Pensei. Meu Deus,
como eu gostaria se alguém me estendesse a mão...
Senti uma onda de calor invadir todo o meu corpo.
Meu coração acelerou, meu olhar se nublou por conta
das lágrimas que teimavam em aparecer.

Tomei ,então, a melhor decisão da minha vida:

Dei um passo à frente e ofereci meu braço,
para que um deles se enroscasse nele.
Ainda me emociono,
quando lembro do momento,
em que um garotinho, todo especial,
meio sem jeito,
veio ao meu encontro e enroscou seu braço no meu.
Meu Deus, fui aceita!!
Nos meus nove anos apenas,
senti que podia e devia
fazer alguém sentir-se melhor,
menos rejeitado.... feliz.

Olhei para o diretor, e ele consentiu com a cabeça.
Saímos então,
para conhecer sua nova escola, e,
graças a Deus,
outros colegas meus também ofereceram seus braços.
Aquele momento foi mágico.
Ele falava com dificuldade, estava meio atrapalhado.
Eu, por outro lado, a maior tagarela.
Mesmo assim, nos entendemos muito bem.
Ele sorria e segurava meu braço com tanta força que até doía,
mas não me importei com a dor, pois
a satisfação de estar ajudando era muito maior.
A alegria de poder fazer a diferença,
para aquele novo coleguinha era muito grande.
Conseguimos mostrar aos demais
que era muito bom poder dividir
com quem precisava, um pouco que fosse do nosso amor,
do nosso carinho, nosso tempo, e,
com certeza, nossos amiguinhos especiais,
estavam nos ajudando a entender um pouco mais da vida.
Estávamos aprendendo a ser voluntários.

Claro que nem todos conseguiram estar em contato direto,
pois não sabiam como agir,
tinham medo de errar,
mas ajudaram bastante dando seu apoio,
trazendo de casa,
livros, jogos e desenhos
para que mostrássemos aos nossos novos amigos.
Também havia os que achavam isso tudo uma grande bobeira,
e, que a obrigação era da família,
mas, era só a minoria...
Não preciso contar a felicidade do nosso diretor, Sr. Olavo.
Era felicidade dupla, pois conseguira implantar com sucesso
a "Sala Especial"
e despertar, em nós, o sentimento de solidariedade.!!

E, daquele dia em diante, nunca mais deixei de aproveitar,
quando a vida me dava a oportunidade de ser voluntária
e auxiliar direta ou indiretamente um irmão necessitado,
um irmão menos favorecido.

Ah!! O nome do meu Amiguinho é Otávio,
mas, com o nosso carinho, passou a ser Tavinho!
Ele era mais velho do que eu uns três anos.
Fomos amigos durante 6 anos
Íamos juntos para a Escola todos os dias e ele enroscado, em meu braço,
até quando sua família se mudou...
Onde estará você agora, Tavinho??
Obrigada, meu amiguinho, pela oportunidade que você me deu,
de sentir que
ser voluntária
é uma bênção dos céus.!!



De lá para cá,
sempre que Deus me apresenta a oportunidade de auxiliar,
cá estou eu,
procurando fazer meu melhor possível
em prol de irmãos menos favorecidos
quer seja levando nas madrugadas,
um cobertor
e um leite quentinho
para aqueles que moram nas ruas,
visitando os asilos,
onde muitos irmãos mais velhos estão sozinhos;
levando nos orfanatos um pouquinho do calor de mãe e avó que sou,
e, participando de campanhas para arrecadação de meios
para ajudar grupos, como este que hoje faço parte

Texto escrito por um membro do
Grupo Beija-flor
Associação Amigo Beija-flor

Palavra de Condão
Admin

Feminino
Número de Mensagens : 652
Idade : 36
Data de inscrição : 19/02/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum